Nintendo, cuidado com a sua eShop

Quem viveu a época ou os que, como eu, estudaram sobre o crash de 1983 sabem que a Nintendo salvou a indústria dos games com o Nintendinho. Resgatou uma indústria já moribunda de seu leito e deu força a ela. E fez isso, principalmente, por meio da instituição do Selo Nintendo de Qualidade.

Trinta e cinco anos se passaram desde a crise, mas acho que a Nintendo poderia rever os erros cometidos no passado a fim de garantir a longevidade e confiança de sua loja virtual, a eShop.

Por que digo isso? Recentemente fiz um post do Rime (leia aqui) em que exaltei o jogo, mas destaquei que, em seu lançamento, ele apresentava problemas de framerate que tornava o jogo insuportável e estragava a experiência do jogador, mas que na época de publicação do meu texto os problemas já haviam sido sanados e a versão do Switch, aparentemente, estava funcionando corretamente.

Como gostei tanto do jogo, vi que a empresa tinha um outro jogo para o Switch: The Sexy Brutale. Vi alguns gameplays e comprei o jogo. O jogo é muito bom! Seu conceito, sua ideia, suas mecânicas e seus personagens, pena que no Switch ele é injogável.

Digo “injogável” pelo tanto de loadings durante o jogo. Loading in-game mesmo, não aquelas tradicionais telas em que você fica esperando carregar uma nova área. Entrou em um cômodo novo? Aparece um símbolo de loading e o jogo entra em uma série de travamentos que parece que há uma máquina velha o processando, e a sua taxa de quadros por segundo fica em torno de 0,5 FPS (e não estou exagerando!). Acredite: isso é extremamente irritante pois é constante.

E esse já é o segundo jogo dessa empresa que é lançado de forma desleixada para o console nintendista. O que me faz perguntar: até quando a Nintendo permitirá esse tipo de atitude?

Precisamos de jogos no Switch? Sim! Porém, precisamos de jogos que sejam minimamente jogáveis e sem bugs (ou com poucos bugs). Se uma empresa lança dois jogos adaptados porcamente e com todos os tipos de problemas, para mim simboliza má-fé, pois em ambos os games os travamentos não dependem de uma situação específica (como ocorre com bugs de verdade em que há sempre um procedimento para simular o erro), ou seja, é algo que é 100% detectável, bastando jogar alguns minutos e você verá o problema acontecer. Isso acontecerá com TODOS os jogadores, sem exceção.

Entretanto, meus amigos, nem tudo está perdido. Tendo em vista o problema relatado nas linhas acima, entrei em contato com o suporte da Nintendo e consegui ter o reembolso do jogo. “Ahhh, mas eu não falo inglês!”. Não tem problema, pois o suporte foi todo feito em Português do Brasil, inclusive com a Nintendo me ligando para obter mais informações do problema. Gostei muito do atendimento prestado pela empresa.

Para efeitos de esclarecimento, acessei o link para falar com a Nintendo em português e relatei o ocorrido. Importante ressaltar que não há reembolso em caso de compra feita de forma incorreta ou pelo fato de não ter gostado do jogo. Apenas problemas reais com o jogo. No processo eles pedirão seu usuário na Nintendo e o serial do console. Tudo foi resolvido em apenas 2 dias.

Todavia, apesar de resolvida a situação, penso que a Nintendo precisa voltar com o selo de qualidade a fim de evitar que a eShop vire um depósito de jogos bugados e lançados de qualquer maneira. Punir empresas que lançam jogos de qualquer maneira é um primeiro passo para garantia de qualidade. Nós como consumidores precisamos ter confiança ao adquirir um produto em uma loja, e com a eShop não é diferente.

E vocês? Já tiveram algum tipo de problema? Conseguiram resolver? Deixem suas opiniões nos comentários e até o próximo post.

Gostou? Compartilhe!

Tovar

Nintendista desde os 8-bits, pulei somente a geração GameCube (que recuperei com o Wii). Sou fã de The Legend of Zelda, Donkey Kong, Mario, Mega Man, etc. Resumindo: sou fã de jogo bom!